literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

A Casa da Bruxa
VOLTAR
RESENHA

Por Chirley Domingues
Professora da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL)
Mestre em Literatura Brasileira (UFSC)
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE/UFSC
2013

Uma história de mistérios e romances, recheada de crendice popular e de preconceito, é o que nos apresenta Éveli Queiroz em A casa da bruxa. O enredo apresenta a história de Eleontina, uma bela jovem que encanta os homens e desperta o ódio das mulheres. 

Eleontina, moradora de uma vila da Ilha de Santa Catarina, vivia sozinha em uma casa que os vizinhos denominaram de a casa da bruxa, e, em segredo, contava histórias, na praia, para as crianças. Certo dia, porém, “um homem veio buscá-la na praia”, e a moça desapareceu, deixando para trás a casa vazia, os homens desolados e as mulheres curiosas. O fato foi o estopim de uma série de acontecimentos que aumentaram a convicção dos moradores sobre o poder bruxólico da bela mulher. Mas, um homem em especial parecia sofrer mais que os outros , em pouco tempo, definhou e morreu. Alguns meses depois, sua mulher deu à luz uma menina que ganhou o nome de Minerva. Para pavor da mãe, e de todas as mulheres da comunidade, a menina tinha os olhos de Eleontina. O nascimento daquela criança reacendeu, na vila, o medo que todos tinham da bruxa. Algumas mulheres narravam fatos misteriosos que voltaram a acontecer e muitos juravam que Eleontina estava de volta.

Minerva foi crescendo ouvindo as histórias sobre a ex-moradora da casa abandonada e sua curiosidade só aumentava.

Certo dia, a menina adoeceu e, no delírio causado por uma estado febril, afirmou que viu Eleontina. O acontecimento foi o bastante para que as pessoas jurassem que a criança foi a escolhida pela bruxa para ser a sua sucessora. Diante disso, a menina passou a ser vítima do mesmo preconceito que a outra mulher sofrera. Então, a mãe e a avó decidiram mandá-la para um convento, na tentativa de livrá-la do destino cruel que a bruxa poderia ter traçado para ela. Mas Minerva não cedeu a esse destino e foi em busca de outra vida. Mudou-se para a casa da bruxa e, com a ajuda da velha Custódia, encontrou a verdadeira história de Eleontina, que tinha muito mais a ver com a sua família do que ela imaginava.

QUEIRÓZ, Éveli Ancântara de. A casa da bruxa. Itajaí: Univali, 2005.


AUTORES

Imagens