literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

Antônio dos botos
VOLTAR
RESENHA

Por Aline Cavalheiro
Acadêmica do Curso de Pedagogia/UFSC
Bolsista Pró-extensão
Eliane Debus
Professora MEN/PPGE/CED/UFSC
2013

O livro Antônio dos botos, de Márcio José Rodrigues, é composto de três narrativas, “A visita”, “O linguado e o siri”, e “O pescador Julião”, que tem como elemento condutor lendas de cunho religioso, alicerçadas pela fé, na figura de Nossa Senhora. O espaço geográfico das narrativas está centrado na região sul de Santa Catarina, particularmente Laguna e suas adjacências.

A primeira história, “A visita”, traz Nossa senhora, travestida na aparência de uma moça simples; é bem acolhida no horário do almoço na casa modesta do Pescador Joca e de Sinhá Maria. O menino Miguel, filho do casal, muito doente, prostrado na cama recebe das mãos de nossa Senhora um gole d´água: o que o revifica, tornando-o saudável novamente. Longe já ia a moça quando a mãe ora para a imagem de nossa senhora, a mesma imagem daquela que fazia pouco estava ali.

A segunda história “O Linguado e o siri” traz Nossa Senhora tentando atravessar o Canal da Barra do Tubarão. Do linguado, ela recebe só reprovação e malcriação, enquanto o siri, gentilmente, dá-lhe carona em seu dorso, atravessando Nossa Senhora para a outra margem. Ela, passando abençoa os peixes, golfinhos e o siri; e o linguado leva um grande castigo.

Na última história, “O pescador Julião”, Nossa Senhora encontrou um frade que segurava um belo menino. A criança pediu a ela um colinho e, imediatamente, reconheceu o cheiro daquela mulher; enquanto o frade ajoelha-se, reconhecendo aquele rosto. Nossa Senhora pediu ao Frei Antônio que a ajudasse a confortar os pobres e é nesse exercício que ele encontra Julião, que há muito havia feito uma promessa, paga pela metade. O Frei, que na verdade pode ser Santo Antônio, dá a todos os pescadores a alegria da fartura e pede para ser chamado de Antônio dos Botos, afinal foram eles (os botos) que conduziram a boa pescaria.

Os vocábulos “pilão oitavado”, “jirau de madeira”, “esteira de piri” “forgueta de araçá do campo” entre outros, aguçam a curiosidade e a imaginação do leitor que terá que recorrer ao dicionário para compor a ambientação simples e antiga das narrativas. A cada página, as ilustrações coloridas de Andrea Ramos convidam para a abertura da próxima.

RODRIGUES, Márcio José. Antônio dos Botos. Il. Andrea Ramos. Florianópolis: Letras Brasileiras, 2009. 24 p.


AUTORES

Imagens