literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

Espantosa História de Ruffus
VOLTAR
RESENHA

por Ana Maria Alves de Souza
Mestre em Antropologia (UFSC 2003)
Mestre em Literatura (UFSC 2011)
2012

Espantosa História de Ruffus é uma biografia poética na qual Klamt conta a história de Ruffus, um menino que vendia laranjas e tinha o hábito de sempre esvaziar os pneus da própria bicicleta, para enchê-los de novo, procurando renovar constantemente o ar, “que vento velho dentro dos pneus faz mal à bicicleta”. A partir dessa atitude um tanto nonsense, Klamt começa a descrever gostos e atitudes do menino, que nunca perdia o assombro diante do mundo. As cores se misturam às descrições: Ruffus tem preguiça alaranjada, cabelo vermelho, coração verde etc.

O texto é apresentado em estrofes irregulares, ora de 9 linhas, ou 5, ora de 3, ou 2, ou ainda uma apenas. Entre os personagens vemos a mãe aparecer nos retratos antigos, também em lágrimas, ou no silêncio, ora no bilhete. O pai tem nos olhos um estilingue. Nas atividades de Ruffus, Klamt o coloca como escultor imaginário, utilizando “formão de esculpir sonhos”.

O monge João Maria aparece inusitadamente para falar ao menino coisas “do princípio”, que só podem ser ditas poeticamente. O avô é um personagem que aparece longamente, com seu violino e a chave do invisível, esquecendo-se de ficar velho. Maria, a avó, tem uma aparição discreta, mas decisiva, pois vai embora, sem planos de voltar, motivo pelo qual o avô encolheu todo. No final da história, Ruffus já está duas vezes maior que o avô, abandonando de ser menino.

A morte aparece sutilmente no entoar poético da história; é que o menino, sendo iniciado em árvore, tem alma de cedro rosa, servindo de repouso de alma penada. Elementos da natureza são descritos nos versos, como a flor, o pau podre, o lodo, o lambari, o João-de-barro, o besouro, o rio, a árvore, o sapo, o sol, a tempestade etc.

Telma Scherer (2012), comentando o livro, não ressalta a questão biográfica, mas inscreve-o numa tradição poética; aponta que Espantosa História de Ruffus é escrita no mesmo estilo de prosa poética de Manoel de Barros. Destacando a dificuldade de compreensão de grande parte da poesia contemporânea pelo trabalhador comum, pelo usuário de transporte coletivo, o estudante de escola pública, Telma Scherer alude diferencial à simplicidade poética da história de Ruffus. Ao comparar a obra a imagens poéticas de Manuel Bandeira/e Manuel de Barros, refere-se à ternura que contém esse texto, tão difícil de ser encontrada na contemporaneidade. 

A comentarista, ainda, discorda da classificação do livro como literatura infantil, pois acredita que ele deve ser lido como uma poesia própria para qualquer idade, apontando a comunicabilidade essencial e o poder de sedução do texto. 

Telma Scherer afirma que é impossível desvendar o mistério dos jogos imagéticos ali contidos, pois 

Klamt constrói em seu poema uma teia de relações, embaralhando conceitos como os de tempo e memória, magia e ontologia, gênero e parentesco, brincando com as diferentes funções da linguagem. Sem pedantismos e obscurantismos, sem utilizar palavras difíceis e construções exóticas, mas proporcionando uma vasta gama de níveis interpretativos, Klamt consegue seduzir o leitor para a fruição da poesia. (SCHERER, 2012)

Para Scherer, Espantosa História de Ruffus vem preencher uma lacuna na produção poética contemporânea.

As ilustrações de Fernando Lindote, para a história, poetizam plasticamente, acompanhando a biografia. Com uma linha minimalista e cores fortes do projeto gráfico de Vanessa Schultz, as ilustrações podem ser lidas como pequenos biografemas, a compor a narrativa, ora sendo uma concretude literal, ora tomando vida e extrapolando o sentido.

Rui de Oliveira (2008) comenta as características descritivas e narrativas presentes em cada ilustração para o público infantil. Lindote sem dúvida narra uma história, mas nem sempre a descreve, às vezes dá-se ao luxo de escolher suas próprias imagens para ali compor, monologando com o texto, conforme comenta Gizelle Kaminski Corso (2012) na resenha que escreve para os leitores da biblioteca Barca dos Livros. Para essa autora as ilustrações de Lindote marcam uma presença-ausência, rabiscadas sutilmente. Espantosa História de Ruffus ganhou o prêmio Elizabete Anderli, pela Fundação Catarinense de Cultura.


Referências

CORSO, Gizelle Kaminski. Resenha de Espantosa História de Ruffus. Núcleo de Estudos e Pesquisas da Barca dos Livros. Disponível em: http://nepbarcadoslivros.wordpress.com/author/gizellekaminskicorso/, acessado em 29 de abril de 2012.

KLAMT, Valdemir. Espantosa História de Ruffus. Florianópolis: Nauemblu/Lábias, 2010.

SCHERER, Telma. A Reinvenção da Ternura. Disponível em: http://www.germinaliteratura.com.br/2010/livros_reinvencaodaternura_por_telmascherer.htm , acessado em 29 de abril de 2012.

OLIVEIRA, Rui. In: OLIVEIRA, Ieda de. O que é qualidade em ilustração no livro infantil e juvenil – com a palavra o ilustrador. São Paulo: DCL, 2008. p.35.


AUTORES

Imagens