literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

Feito por mim
VOLTAR
RESENHA

Por Deyse Aparecida Ramos Pratts
Acadêmica do Curso de Pedagogia – UFSC
2014

O livro Feito por mim foi escrito por Cristina Marques e ilustrado por Rubens Belli e apresenta uma narrativa instigante sobre a relação de dois adolescentes que se unem por meio do Origami: tradição japonesa. A ilustração acompanha a escrita, pois é feita estilo da pintura oriental, como uma homenagem ao sumi-ê, a arte do essencial, presa a simplicidade.

O livro relata a história de um casal de adolescentes e a descoberta do amor. O menino gostava de fazer Origami, arte milenar japonesa mantida por sua família que veio do Japão, onde esse costume é tradição até os dias de hoje e, por ser mantido culturalmente, passa de pai para filho.

A história começa na sala de aula, na qual o casal protagonista estuda, e com a ausência do professor de matemática o clima de descontração e conversas se multiplicou. Somente Fernando permanecia concentrado com o feitio de seus Origamis. Ao perceber a atividade Carolina, com muito interesse, aproximou-se e questionou o garoto sobre o que ele estava fazendo. O menino explicou, mas queria saber também o motivo do interesse da menina. Carolina ao ser indagada ficou com seu rosto completamente corado, seu coração acelerado e as mãos tremulas, deixando transparecer tamanha timidez, e saiu em seguida para o pátio da escola.

Ao chegar em sua casa não se conteve, foi direto para o computador pesquisar o que seria Origami: “Arte japonesa de dobraduras de papel”. Foi o motivo decisivo para em seguida querer aprender. Pediu a sua mãe para levá-la a uma papelaria, por coincidência, administrada pela mãe do garoto. Conversaram, tomaram um delicioso chá e combinaram aulas de Origami três vezes por semana. A mãe do menino havia reconhecido Carolina e sabia ser colega de classe de seu filho, porém a menina pediu sigilo quanto a isso com o rapaz.

A cada semana a menina se aperfeiçoava ainda mais ao ter aulas de dobraduras, desenvolvendo ainda mais sua concentração e paciência para dominar essa arte. Seu quarto ficou cheio de artes vindas do feitio de seus Origamis, como móbiles pendurados, quadros de Origami e montagens sobre suas prateleiras.

Chegou um dia que o menino estava ao fundo da sala de aula, e então ela se aproximou e entregou-lhe um Origami colorido que representava um coração com uma linda borboleta pousada. Logo o garoto ficou surpreso, não imaginava tanto interesse sua arte havia proporcionado à jovem. Pediu para ela se aproximar e sentar ao seu lado, seu coração disparou, mas respirou fundo e fez o que ele pediu. O menino a olhou profundamente e disse que aquele gesto era somente para chamar sua atenção. Ela disse a ele que no início, foi sim, mas, em seguida, apaixonou-se pela arte do Origami.

Os dois não se largaram mais. Depois das aulas se reuniam para as atividades escolares, tomavam chá, conversavam com a mãe do menino e também enfrentavam os comentários maldosos de outros colegas da escola, como que poderiam inclusive se casar e morar em uma casa de papel. No entanto, juntos fizeram feiras, exposições, palestras com a arte aprendida por eles o Origami, causando muito interesse nos outros alunos.

As aulas na escola já estavam no fim e as férias se aproximavam. Então, o garoto foi conversar com Carolina, dizendo precisar ter que se ausentar e fazer uma viagem ao Japão. Os dois jovens se entreolharam, e a menina por pouco não chorou. Ele pegou em sua mão e pediu para ela se despedir dele no dia da viagem no aeroporto. Ela disse que iria. No dia marcado os dois estavam lá se despedindo, ele deu um beijo na menina e entregou para ela um pacote e pediu para que abrisse somente quando partisse. Quando o avião não era mais avistado, a menina abriu seu pacote, dentro de um porta-joias estava um coração vermelho de Origami e um bilhete que dizia: “este coração simboliza o meu que estará com você até a minha volta. Com amor, Fernando”.

No livro há um paratexto explicando tudo sobre a arte do Origami, assim como a história de um garoto que a faz, o artista em questão, e uma orientação de como fazer uma coruja de Origami. Antes há também uma explicação de Maria Teresinha Heimam sobre o assunto abordado no livro.

MARQUES, Cristina. Feito por mim. Ilustração de Rubens Belli. Blumenau: Editora do autor, 2010. 32 p.


AUTORES

Imagens