literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

Loberval: o lobo que não era mau
VOLTAR
RESENHA

Por Eliane Debus
Professora MEN/PPGE/CED/UFSC
2013

O livro Loberval: o lobo que não era mau, de Regina Ballmann e ilustrações de Alex Guenther, traz um personagem conhecido das narrativas tradicionais: o lobo mau; só que, nesta narrativa, ele vem com características diferentes: Loberval é um lobo bom.

No entanto, por mais que Loberval faça, não consegue desfazer sua fama de mau, passando por vários apuros: vestindo roupa de cordeiro, visitando vovó de Chapeuzinho, entre outros, num discurso entretecido com as narrativas em que este personagem é o centro das histórias.

Desencantado o personagem chega a um reino encantado onde encontra outros animais discriminados. Neste novo ambiente, encontra uma cobra descolada que o faz ver o outro lado da situação. “Não importa como somos... ser ou não ser, eis a questão!” (BALMANN, 2013, s.p)

BALLMANN, Regina. Loberval: o lobo que não era mau. Il. Alex Guenther. Blumenau: Ed. Do autor, 2013.


AUTORES

Imagens