literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

O Leão que ficou legal e outras histórias
VOLTAR
RESENHA

Aline Cavalheiro
Acadêmica do Curso de Pedagogia/UFSC
Bolsista Pró-extensão
2013

O livro O Leão que ficou legal e outras histórias, de Ana Elisa Paes Decomain, traz seis histórias: “O sapinho sustão”, “A voltinha do ponteiro”, “O leão que ficou legal”, “O peixinho azul”, “O falatório das frutas”, e “O corretivo excepcional”. As histórias são curtas e apresentam, ao seu final, uma “moral da história”.

A primeira história, “O sapinho sustão”, conta sobre um sapo que vivia na Lagoa Encantada, um lugar muito belo e com águas límpidas. O danado do sapinho adorava assustar as pessoas; um dia assustou uma menina que caiu na Lagoa Encantada. Para alívio da menina, naquela hora, chegou uma fada e transformou o sapinho em um sapão, para que ele a salvasse, e assim ele fez. Depois desse dia, o sapo nunca mais assustou ninguém.

A segunda história, “A voltinha do Ponteiro”, narra sobre o ponteiro dos minutos que, num determinado dia, cansou de girar no relógio e fugiu, mas ele ficou muito sozinho e resolveu voltar para seu amigo ponteiro das horas e brincaram muito juntos. Hoje, o ponteiro dos minutos aprendeu que sua casa, o relógio, é o melhor lugar para se ficar.

A história que leva o título do livro é a terceira a ser contada. A narrativa traz como ambiente central uma floresta onde havia um papagaio que vivia incomodando todo mundo. Um dia o rei, que era o Leão, muito irritado com o Papagaio expulsou o tagarela da floresta. Mas, como pela Lei, o rei não pode obrigar ninguém a fazer o que a Lei não manda, ele foi expulso do cargo de rei. No final da história, o leão, arrependido do que fez, foi perdoado pelos animais da floresta e ele aprendeu que não devia desobedecer às ordens estabelecidas.

A quarta história, “O peixinho azul”, é sobre um peixinho muito sozinho, pois ele era muito esnobe por ser o peixe mais rico do oceano e vivia se gabando disso. Os amigos não gostavam de ficar muito perto e nem de brincar com ele por causa disso. Mas, um dia o peixinho azul deu por conta do que perdia, pediu desculpa aos seus amigos e aprendeu que amizade é mais importante do que riquezas.

Em “O falatório das Frutas”, temos a história de quatro frutas que brigavam muito entre si: a maçã, banana, abacaxi e a laranja. Certo dia a maçã resolveu fazer um campeonato de discursos, cada uma das frutas começou a se elogiar e, no final, deu um falatório que resultou em uma tremenda confusão. Mas, naquele dia, todas saíram vencedoras, porque aprenderam que competir não resolve nada.

“O corretivo excepcional” traz a história de um corretivo novinho, de dois anos de idade, que foi comprado por uma menina que tinha que apagar um erro no seu caderno da escola. Só que tinha um grande problema: ele não conseguia apagar nada. A menina até tentou trocar na loja, mas a troca foi negada, então ela deixou o corretivo ao léu. Um dia, o corretivo estava chorando no cantinho do quarto e a menina, com dó, teve uma ideia: ajudou o corretivo a apagar. Custou um pouco, mas ele aprendeu. Com essa conquista comemoraram e fizeram uma grande festa.

As ilustrações do livro são compostas de colagem de fotos e desenhos, e trazem apenas as personagens da história, possibilitando a imaginação dos cenários onde as histórias se passam.

DECOMAIN, Ana Elisa Paes. O Leão que ficou legal e outras histórias. Il. Helô Espada. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2000. 


AUTORES

Imagens