literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

Gotas de afeto
VOLTAR
RESENHA

Por Lauro Junkes
Doutor em Teoria da Literatura (PUCRS)
Professor Titular da UFSC, tendo atuado no Curso de Letras e no Programa de Pós-Graduação em Literatura, até 2010, quando do seu falecimento.

Alzemiro Lídio Vieira, voz cultural expressiva de São José, com atenção na poesia e nas artes plásticas, fez editar, em 1990, Gotas de Afeto, um conjunto de poemas em que reina, apropriadamente ao universo infantil, a efusão da alegria e do entusiasmo sadios, sempre com simplicidade absoluta e quase ingênua, preservando o sonho e a esperança desse “tempo de igualdade”. São poemas singelos, como que partidos de um coração que, igual ao das crianças, não se deixou massacrar pela crua realidade em que vive, mas conserva dentro de si a criança que, longe de temer, desenvolve harmoniosa ingenuidade, para quem a “grana/ é bolinha de sabão”.

A grande alegoria, o protótipo existencial mais sadio é a própria natureza, em seu perpétuo hino de harmonia, quando não perturbado pela “fumaça da ganância” que ameaça qualquer ecologia de vida: a terra rejuvenescida, o sol e a chuva em ritmo saudável, a brisa sutil, o esplendor d alua cheia e o céu azul da “noite de esperança” – tudo a fundir-se com o sorriso construtivo e o gargalhar do palhaço, dando um salto no trapézio do tempo, numa despreocupada ciranda da esperança: “sonho de criança / sonho de amor”. Mas denuncia também o “pássaro preso”, pois ele não foi feito nem se sente realizado ao “cantar só pra você”, extasiando-se, ao contrário, com o “voo da gaivota” pelos “verdes campos da vida”.

O poeta não vive, nem convida a viver na alienação, por que sabe contrapor a solidariedade laboriosa das formigas ao individualismo egoísta dos homens e ressalta que “escola e trabalho” são indispensáveis para o desenvolvimento equilibrado. Talvez a criança urbano-robotizada da TV e do apartamento não se identifique com esses poemas. Mas Alzemiro Vieira preserva e cultiva um humanismo essencial ao ser humano, na íntegra simplicidade.

Referências

VIEIRA, Alzemiro. Gotas de Afeto. São José: Edição do autor, 1990.

JUNKES, Terezinha Kuhn (Org.). A literatura infantojuvenil catarinense na perspectiva de Lauro Junkes. Florianópolis: Copiart, 2012. p. 33-34


AUTORES