literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

Alice no país das maravilhas
VOLTAR
RESENHA

Por Elika da Silva
Mestranda Programa de Pós-Graduação de Educação – UFSC
2015

Alice no país das maravilhas é um clássico da literatura, escrito por Lewis Carroll em 1865. Sem ser especificado se era para adulto ou crianças, o livro conta a história de uma menina chamada Alice que cai numa toca de coelho onde a transporta para um lugar mágico. As ilustrações são em preto e branco de Sir John Tenniel, ilustrador inglês que nasceu em Londres 1820, nasceu cego de um olho, mas com uma memória fotográfica desenhava sem modelos, seus trabalhos mais reconhecidos são as ilustrações para as obras de Lewis Carroll, morreu em 1914.

Carroll nasceu na Inglaterra em 1832, “foi matemático e fotógrafo. Escreveu, entre outros livros, Alice no país das maravilhas (1865) e Através do espelho (1871), dois clássicos da literatura universal. Apaixonado por cartas, ele se correspondeu ao longo de sua vida com centenas de menininhas, a quem apreciava contar histórias absurdas e divertidas”.

Em 1890, Carroll decide recontar o clássico com o título Alice no jardim de infância – título adotado para a tradução em português, assinada por Sérgio Medeiros –, para crianças de zero a cinco anos, ainda não alfabetizadas onde o contato com o livro seria intermediado por um adulto. As ilustrações são as originais de Sir John Tenniel, mas agora são coloridas. Os textos e as imagens dialogam entre si, onde o autor convida o leitor para observar as cores e detalhes das imagens.

A história foi escrita para crianças, mas em qualquer idade o leitor pode se encantar por ela, “a grande lição de Carroll é, sem dúvida, ensinar seus leitores, sejam eles crianças ou não, a usufruir de uma boa aventura” (AMARANTE, 2013, p. 62).

O livro é a combinação perfeita entre o real e a fantasia, onde o leitor é sempre convidado a refletir sobre a razão e a emoção. Apresenta uma linguagem simples, proporcionando uma fácil leitura, mas para crianças em fase de alfabetização precisa ser intermediado por um adulto. A combinação entre texto e ilustração é perfeita, com traços que caracterizam os personagens de uma forma divertida, convidando o leitor a explorar com atenção, todas as partes da história.

Essa tradução de Alice foi publicada no Brasil pela editora Iluminuras, traduzida por Sérgio Medeiros em 2013.

CARROL, LEWIS. Alice no jardim de infância. Tradução de Sérgio Medeiros. São Paulo: Iluminuras, 2013.


AUTORES

Imagens