literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

As Lágrimas que queriam sorrir
VOLTAR
RESENHA

Por Aline Cavalheiro
Acadêmica do Curso de Pedagogia/UFSC
Bolsista Pró-extensão
Eliane Debus
Professora MEN/PPGE/CED/UFSC
2013

Em As Lágrimas que queriam sorrir, Rosaura Flores traz a história de uma aldeia muito distante, que se chamava Luama. Entre seus personagens estão Chefe Tirô, Chumi, as lágrimas, o Sol e o Vento.

A história é ambientada na Aldeia de Luama, lugar que havia muito passava por uma longa seca. Nela vivia o jovem Chumi, que já havia perdido as esperanças naquela terra. As histórias contadas pelo Chefe Tirô, sobre como era a vida antes da seca, faziam com que todos na aldeia chorassem de saudades do tempo de fartura e, ao mesmo tempo, se enchessem de esperança por um novo tempo...

As lágrimas que caíam começaram a brotar da terra seca, eram muitas lágrimas, que se dirigiam para além da montanha. Tomadas de compaixão pelo povo que só choravam de tristeza, as lágrimas queriam e tomaram uma decisão para ajudar a Aldeia de Luama.

Com ajuda do Sol e do Vento as lágrimas, que formaram um lago para ajudar o povo de Luama, queriam ser evaporadas para formar chuva. E assim foi, o Sol evaporou as lágrimas, o vento espalhou as nuvem sobre a aldeia, o sol se escondeu e o vento, agora mais gelado, condensou as nuvens, fazendo chover na aldeia.

Agora o rio estava cheio, o verde estava novamente renascendo, trazendo de volta a linda Luama, representada nas histórias contadas pelos mais velhos da aldeia. Reunidos, o povo agradecia à natureza com lágrimas, mas agora lágrimas de alegria!

FLORES, Rosaura. As lágrimas que queriam sorrir. Il. André Luiz Dias. São José: El Shaddai, 1999.


AUTORES

Imagens