literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

Barco Branco em mar azul
VOLTAR
RESENHA

por Luana Madaloni da Silva
Acadêmica do Curso de Pedagogia – UFSC
Bolsista PIBIC 2011/2012
2012

A narrativa de Barco branco em mar azul, de Werner Zotz, é carregada de imaginação, envolvendo um velho, um menino e um barco. O autor nos conta a história de Geraldinho, um menino que mora em um vilarejo de pescadores, onde certo dia aparece um grande barco. Todos ficam curiosos; alguns moradores tentam chegar perto e ouvem um velho, no barco, conversando com uma gaivota e com o próprio barco. 

A população do pequeno vilarejo considera o estranho viajante maluco e decide não mais voltar ao barco. Geraldinho, porém, fica ainda mais curioso quando sabe do barco, do velho e da gaivota. Sem o consentimento dos pais, vai até o barco e conhece o velho marinheiro Tomás, passando a visitá-lo todos os dias. Nessas visitas, Tomás lhe conta a história da gaivota Cice, do barco Sonho Azul e sua própria história. Encantado, o menino perguntava por que ele não conseguia falar com Cice e Sonho Azul, ao que Tomás, respondia que tivesse paciência. Um dia, chegando para a visita, o menino ficou muito triste, seus amigos haviam ido embora. Restara apenas um pequeno barco, bem menor que Sonho Azul, mas idêntico a ele. E Geraldinho, voltou a ficar feliz por conseguir entender o Pequeno Sonho Azul, seu mais novo amigo, que Tomás havia feito e deixado para ele.  

Werner Zotz conduz o leitor de uma forma leve, deixando-o a entrar no mundo da história, com ilustrações que, apesar de bem feitas da completude, deixam-no livre para continuar a construir, imaginariamente, o cenário da narrativa.  


ZOTZ, Werner. Barco branco em mar azul. Il. Alê Abreu. Florianópolis: Letras Brasileiras, 2005. 



AUTORES

Imagens