literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

O guarda-noturno
VOLTAR
RESENHA

Por Larissa Goedert Cabral
Acadêmica do Curso de Pedagogia
2015

O guarda-noturno, de Zahidé Lupinacci Muzart, ilustrado por Márcia Cardeal, traz a história de um menino muito preocupado com o bem estar do guarda-noturno de sua rua, que indiferente do tempo que estivesse fazendo na rua, estava ali cuidando de todos. A autora vem através do narrador da história, o próprio menino, ressaltar a importância de ouvir os pais.

Em um dia rigoroso de inverno o menino muito preocupado diz a sua mãe que gostaria de ajudar o guarda, que gostaria de levar um café bem quente para que ele pudesse se aquecer. Porém, a mãe preocupada com a saúde do menino, o repreende dizendo que alguém poderia vê-los de portas abertas e isso seria perigoso.

Após o pedido realizado sem sucesso, o menino não contente lembra que o padre sempre diz na igreja para amar ao próximo como a nós mesmos. Logo, ele espera a mãe dormir e planeja algo para que pudesse ajudar aquele guarda, que já aparentava ser mais velho e com frio. O garoto, então, tem a ideia de, em muito silêncio, esquentar uma caneca de café para o guarda.

Aos poucos vai se dirigindo ao jardim, e logo tem uma surpresa nada agradável, o guarda começa a atirar em sua direção achando que ele fosse algum ladrão, por pouco o garoto consegue se esconder e se livrar daquele fogo mortífero. Sua mãe preocupada vem logo junto com outros vizinhos ver se o garoto estava bem, e por sorte estava. O mesmo encerra a história dizendo que pensava em fazer o bem, porém como tem apenas oito anos, deve obedecer sua mãe.

MUZART, Zahidé Lupinacci. O guarda noturno. Ilustração de Márcia Cardeal. Florianópolis: Mulheres, 2014.


AUTORES

Imagens