literatura infatil e juvenil de santa catarina

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
magna.art.br

Adolfo Bernard Schneider
VOLTAR

por Eliane Debus
Professora MEN/PPGE/CED –UFSC
2012



Adolfo Bernardo Schneider nasceu na cidade de Joinville, em 1906, e faleceu na mesma cidade, em 2001, aos 94 anos. Filho de um rico imigrante alemão, Carlos Schneider, Adolfo estudou na Escola Alemã, conhecida hoje como Colégio Bom Jesus, tendo seu primeiro contato com o português quando chegou a Florianópolis, aos 15 anos, no Colégio Catarinense. 

Escritor e pesquisador/historiador autoditada da história da fundação da Colônia Dona Francisca, foi um dos criadores do Museu do Sambaqui e do Arquivo histórico de Joinville, e o primeiro presidente da Academia Joinvilense de Letras (AJL). 

Em matéria para o Jornal A Notícia, em 1999: 

Adolfo Schneider conta que o interesse pela história de Joinville surgiu a partir do centenário de fundação da cidade, em 1951. Como todo joinvilense da época, ele assistiu, durante a segunda guerra, à proibição do uso do idioma alemão e ao fechamento de escolas e de jornais, na tentativa - vã - de erradicar a cultura alemã no País. Em seguida, durante os festejos do centenário, observou que as lojas colocavam, nas vitrines, apenas árvores genealógicas para retratar a história da cidade e se deu conta de que, aos poucos, a cultura de sua terra estava desaparecendo.

Publicou vários artigos sobre temas diversos na imprensa de Santa Catarina, bem como livros, também de diversos temas e gêneros entre os quais, podemos citar: 

Povoamento – Imigração, colonização;

História da Gestação do Museu do Sambaqui de Joinville ; 

Memórias III - De Um Menino de 10 Anos - História de Joinville em forma de crônicas;

Impressões de uma viagem ao Rio Grande do Sul.

Para crianças, escreveu, em 1959, o texto dramático O coelhinho do halo azul.


Referência

DIAS, Maria Cristina. Um pouco da Joinville do século passado... Jornal A notícia, 10/01/1999. Acesso em http://www1.an.com.br/1999/jan/10/0cid.htm


BIBLIOGRAFIA

  • O Coelhinho do Halo Azul - rádio-sketch pré-natalino em um ato Editora: Sem Editora Visualizar Resenha
  • Cantam as cigarras Editora: Editora Civilização Brasileira Visualizar Resenha